quarta-feira, março 08, 2006

Propostas/Metas

Segunda questão: O que são metodologias ativas e como elas devem ser colocadas em prática na nossa realidade (NFR/UFSC) ?

- valorizar todos os sujeitos participantes;
- operacionalizar o conceito de aprendizagem significativa centrada no aluno (e não no conteúdo de modo estrito);
- garantir espaços de aprendizagem continuada para compreender, exercitar, avaliar e criticar as metodologias ativas em suas partes e no todo;
- mesclar professores ou técnicos que dominem as metodologias com os que ainda não as dominam;
- garantir relação de qualidade entre a operacionalização dessas metodologias e a quantidade de pessoas envolvidas.
- oportunizar aprendizagem docente em outras realidades em processo de mudanças mais avançado;
- resgatar e (re)significar as propostas e experiências que o NFR já vivenciou (ver sua história) com relação as diretrizes teórico filosóficas e metodológicas;
- combinar modalidades híbridas de metodologias ativas, combinando aspectos não presenciais (com horas para o professor);
- exercitar a interdisciplinariedade, tanto no planejamento, quanto na avaliação continuada das fases curriculares já em desenvolvimento;
- repensar a compartimentalização do currículo atual (primeiras fases);
- discutir melhor articulação entre o núcleo flexível e a proposta de integração da pesquisa e extensão;
- eleger outros temas transversais no currículo que possam favorecer várias fases e retomar os temas transversais (exemplo: avaliação de feridas, cuidado à família, exame físico entre outros), contemplando diferentes níveis de complexidades- lembrar dos núcleos de pesquisa.

Propostas Fatores Macro-Contextuais e Enfrentamento

Propostas Fatores Macro-Contextuais e Enfrentamento

Questões que nortearam as propostas

  1. Quais são os fatores macro-contextuais que influenciam na construção e operacionalização do novo currículo? e o que precisamos fazer para enfrentá-los?
  2. O que são metodologias ativas e como elas devem ser colocadas em prática na nossa realidade (NFR/UFSC) ?

Síntese das discussões em 07/03/2006

Textos discutidos no grupo:

  • Educação das diferenças
  • A inovação educativa hoje.
  • Nem currículo é forma e nem gente é massa de bolo – Paulo Périssé
  • Desafios do desenvolvimento de um Currículo Inovado
  • Aprendizagens significativas na formação inicial de professores.
  • Teoria da Aprendizagem significativa, segundo Ausubel
  • Implicações do ofício do docente;
  • A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos.
  • Educação dos profissionais de saúde hoje – problemas, desafios e as propostas do Ministério da Saúde
  • Escola nossa de cada dia reinventada
  • Referências para o ensino das competências na Enfermagem.

Texto do Ministério da Saúde: Educação Permanente e formação dos profissionais de saúde;

Pontos importantes ressaltados:

  • As metodologias ativas nos fazem refletir e questionar sobre Inovação. O que é inovação? A inovação não é só onda, um modismo. Ela visa uma transformação.
  • As metodologias ativas devem promover a aprendizagem significativa;
  • O papel do professor: O professor precisa ter habilidade para conduzir/provocar o sentido no aluno à procura . A aprendizagem precisa dar sentido a quem aprende.
  • O professor deve ser um encantador do processo de esnino-aprendizagem. Será que o professor não ensina?
  • O aluno precisa assumir responsabilidades pela sua aprendizagem que deve ser crítica, ativa, reflexiva, transformadora, articulada,contextualizada. Ou seja inserida na complexidade do aprender. Aprender a como fazer, aprender a aprender etc.
  • O papel do professor deve ser a de um pesquisador. Como ser um professor pesquisador? Articular pesquisa, ensino e extensão no Currículo pode ser um caminho;
  • Precisamos ter consciência de que trabalhamos com sujeitos de outra geração que exigem outro jeito de educar.
  • Estar atento a complexidade e o olhar a transdisciplinar no ensino;
  • O currículo por competência e o desenvolvimento das metodologias ativas: Questiona-se: a relação é intrínseca entre o currículo por competência e as metodologias ativas? Outros tipos de currículos não desenvolvem metodologias ativas?
  • Metodologias ativas: os modos de fazer não são tão diferentes, mas as terminologias são. É preciso conhecer as metodologias para distinguir o que é importante usar e o que não é.
    A experimentação como metodologia ativa.
  • Reconhecer que existem diversas tipologias de metodologias de aprendizagem. Aprofundar as metodologias.
  • As relações são cada vez mais íntimas entre as políticas de saúde e as políticas de educação.
    Precisamos entender porque está se atribuindo à prática o papel da formação. E dentro disso qual é o papel do enfermeiro nesta instância?
  • Características do aluno para trabalhar metodologias ativas: crítico, criativo, reflexivo, ativo e com a compreensão da integralidade.

Síntese das discussões em 06/03/2006

  • Pontos Levantados:
    Estamos em um momento histórico e a pressão para a mudança;
  • Interesse e a necessidade de (re)organização do Corpo Docente;
  • Precisamos definir o que é o presencial e o que é a distância. Como operacionalizar isso associado ao currículo por competência? O que é desenvolver no aluno a autonomia?A resistência a mudança, ao novo. A falta de conhecimento leva a resistência a mudança.
  • Falta de crença no produto.
  • Há uma desconstrução da relação no processo educacional para que possamos produzir um cuidado em saúde de qualidade;
  • Necessidade de seguir um parâmetro de professor ideal.
  • Sobrecarga de trabalho do corpo docente e adoecimento. A situação problema reflete a realidade do Departamento. Necessidade de encontrar um jeito melhor de trabalhar. (re)definir a contratação de professores?
  • A necessidade de participação e compromisso de todos. O sucesso do Currículo depende do comprometimento de todos. É preciso haver um melhor compartilhamento de conhecimentos.
  • O sentimento passado pela situação-problema reflete aumento da carga de trabalho.
    Há uma necessidade interna do departamento pela mudança e ao mesmo tempo uma pressão externa;
  • A situação-problema demonstra que estamos cada vez mais fazendo mais coisas em menor tempo. Há um distanciamento maior do aluno. “Somos máquinas espoliadas”;
  • A proposta escrita do Currículo é bastante explícita para as disciplinas, contudo são muitas as dificuldades econômicas do processo de criação. O professor é o gerente do processo de ensino-aprendizagem. Há uma usurpação do trabalho com pouco respaldo financeiro.
    Há uma desvalorização do que se faz. O estágio é uma metodologia ativa. O fazer é uma metodologia ativa. A subjetividade está no ensino na Enfermagem. Há um confronto entre o fazer e o conceber.
  • Devemos conceber como se faz. Não perder de vista as coisas que já foram desenvolvidas;
    Existe a preocupação com os jargões que se criam como se eles fossem a solução.
  • O departamento de Enf. já desenvolve metodologias ativas. Há uma tendência a se negar o que já foi feito como se somente neste momento inicia-se a mudança.
  • A necessidade do Departamento se posicionar em relação a essa proposta de mudança.
    Precisamos discutir a mudança do currículo integrada ao contexto.
  • O volume de atividades desenvolvidas, situado no processo de trabalho do departamento. Identificar qual a relação do pró-saúde com esta proposta do Novo Currículo. Não é possível este maior distanciamento da prática e a transferência das atividades para o campo prático.
  • Parece que a proposta que foi assinalada de o enfermeiro do campo pode absorver as demandas educacionais, sendo o professor um supervisor/condutor deste processo classificaria o trabalho do professor como de menor competência prática;
  • Mudança de função do professor. Sentimento de desconexão. Utilização de metodologia pró-ativa?

2º Momento : Continuação das discussões no período da Tarde

Questões teóricas levantadas no grupo para responder a situação-problema:

Alicia
Como é feita a avaliação e a preparação do professor para o acompanhamento de estágio?

Vitória:
Como fazer a socialização da metodologia ativa para que o grupo fale a mesma linguagem?

Marisa:
Quais são os fatores macro-contextuais que influenciam na construção e operacionalização do novo currículo? e o que precisamos fazer para enfrentá-los?
O que seria um “jeito de trabalhar melhor” na perspectiva de implantação do novo currículo?
Como compatibilizar a carga de trabalho do Departamento com as novas necessidades impostas pela implementação do novo Currículo?
Qual a relação do Pró-Saúde e a implementação do Novo currículo da Enfermagem?
Qual o entendimento que temos obre as duas modalidades/estratégias de aprendizagem: “presencial e a distância?”.
Quando uma metodologia é ativa e quando ela deixa de ser?

Edilza
Saber se os fundamentos e a organização do ensino estão pensadas para os países de primeiro e terceiro mundo?
As pessoas formadas neste sistema proposto têm atingido um nível de excelência que estas metodologias produzem?
Estas metodologias ativas também produzem tédio?

Rosane
O que é um jeito de
melhor trabalhar?

Alexandre
A adoção de novas metodologias não estaria condicionada a uma reformulação das atividades do docente extra-classe?
Esta reformulação não deveria ser prioridade no processo de reforma curricular?

Keyla

Como a implantação de uma metodologia ativa poderá diminuir a sobrecarga de trabalho sem prejudicar o ensino-aprendizagem dos alunos?

Ana
Como se organiza o espaço/ambiente para que ocorra o processo de ensino-arpendizagem para implantação e operacionalização das metodologias ativas?
Como se constrói uma filosofia de educação visando esta proposta de ensino tendo como estratégia as metodologias ativas?

Grace
De que forma se desenvolvem as metodologias ativas no ensino presencial e não presencial? Isto pode ocorrer simultaneamente?
Como se dá a aprendizagem a partir de metodologias ativas?
O que seria aprendizagem significativa a partir da utilização de metodologias ativas?

Capacitação: Metodologias Ativas de Aprendizagem

Objetivos:
  • 1º Dia (06/03/06) Refletir e discutir sobre a situação problema apresentada pela proposta de Capacitação do Departamento de Enfermagem – NFR UFSC 2006. A partir daí destacar individualmente a questão central que mais lhe chamou a atenção.
  • 2º Dia (07/03/2006) Levantar uma questão que possa refletir a situação problema e que permita (ou que pudéssemos encontrar as respostas nos referenciais teóricos) buscar teoricamente a solução.
  • 3º Dia (08/03/2006) Fazer a síntese das discussões e reflexões a partir das questões consensuadas no grupo buscando solucioná-las.